Por que ainda lutar? Ou De Indignados e Indignantes (II)

Por Venâncio Guerrero.

Por que lutar? Por que se indignar? Senão há esperança, pois todos foram embora. Sim, todos foram embora. Lênin foi embora. Seu corpo já não jaz entre os soviéticos. Já não há mais soviéticos. Demos Adeus ao camarada, com pompa e circunstância, bem a moda de nossa vida atual, pela televisão, pelo cinema. Como nada é real, tudo é relativo, demos Adeus ao Camarada Lênin, num filme bonito. Sim. Sim: Sua estátua foi embora.

 Sim. Todos foram embora.  Marx também se foi. Aquele que achava Pai do Lênin, quando criança. Sim, ele foi embora, foi levado pelos Professores que roubaram o que restou do ateu convicto. O espírito de suas palavras está aprisionado em quatro paredes de universidades elitistas e elitizadas. É apenas mais uma matéria difícil de economia política, de sociologia, de (?). Não. Não. Isto não é tão verdade. Pois, até na minha ex-universidade, eles o abandonaram completamente. Na Universidade Estadual de Londrina demos Adeus a Marx, substituímos economia política por empreendedorismo’s.

 Sim. Por que se indignar se há empreendedores, não precisamos mais de paternalismos, somos todos empreendedores. Dor e miséria sempre fizeram parte. Mas, também, não importa, àqueles que lutavam contra tudo isto foram embora. Por que diabos? Me digam? Eu que nasci no ano de 1985, aquele das grandes lutas por democracia, que ajudaram a forjar o Partido dos Trabalhadores? Este mesmo Partido que recebeu meu primeiro voto, de adolescente animado em fazer Política, com 16 anos, chapa completa. 13. 13. 13. Lula da Silva. Mas, sua indignação foi embora. Por isto, este para quem votei, também foi embora.

Sim. Sim. Todos foram embora. PT. Lênin. Marx. Rosa também já tinha ido, quando enterraram toda esquerda européia na vala comum da Terceira Via. Agora, também enterrada pela crise de 2008. Sim. Todos foram embora, até Evo, Fidel e Hugo, parecem querer ir. Todos foram embora, ora esquecidos, ora auto-esquecidos. Sim. Fernando Henrique Cardoso matou Lula, que se suicidou, o meu Lula obviamente, não o Lula Paz e Amor, não o Lula realmente existente. Stalin matou Trotsky. A social-democracia matou Rosa. Boris matou Lênin. Mussolini matou Gramsci. E, todos mataram a Marx.

Por que diabos, eu ainda devo lutar? Não. Não dá realmente. Não dá para minha indignação ir embora. Não posso. Acordo de manhã e sinto a tristeza de ter de pegar duas conduções, um ônibus e um metro para chegar ao trabalho. Chega dia que levo até 3 horas numa só viagem. Não dá. Não dá para minha indignação ir embora. Como? Se minha indignação ir embora, eu dou balaço na cabeça, pois sim, como? Como aceitar viver em condições precárias e ainda pedir por favor para que me aluguem uma birosca qualquer? Como não se indignar com a hierarquia tosca do trabalho. Com a autoridade que me sufoca, que acaba com minha juventude. Morra criação, disciplina, menino se discipline!

Não posso ir embora. Pois, descubro que não sofro tudo isto sozinho. Sim. Eu vejo tudo ao meu lado, os mesmos apertados homens, mulheres no maldito metro lotado. Vejo tudo ou mais indignante. Vejo que todos não conseguem saber se estão doentes, quando descobrem já morreram em uma maldita fila. Descubro pessoas com saúde mental abalada.Calem-se. Ninguém pode saber, senão já me internam num hospício. Não. Não. Vejo minha respiração pior por conta da natureza desgraçada. Soja. Maldita soja que mata árvores. Lula? Por quê? Por que te mataram? Dilma, os militares te mataram?

Se Lula foi embora, eu não posso ir. Pois, sei que não posso depender deles para lutar contra este mundo que acaba com a dignidade das pessoas. São os indígenas sendo mortos por quererem existir. Como você quer existir? Indígena? Isto é um crime. Querer existir é crime! Sim. São os gregos que ainda querem existir. O velhinho grego já desistiu. O vendedor da Tunísia também. Mas, eles fizeram isto para gente se unir e indignar-se. Sim. O aposentado grego de 75 anos de idade tirou sua vida, pois não queria indignar-se a comer do lixo. O vendedor da Tunísia tirou fogo no próprio corpo, pois não o deixavam trabalhar! E, eu a queixar-me de que todos foram embora.

Não. Não posso. Eu não fui. O Grego também não. O Tunísio também não. Não. Não. Os Mártires da Luta não morreram. Suas idéias estão vivas. Sim. Sim. Pois, a situação ainda é indignante. Ainda existe capital e capitalismo, existe exploração da mercadoria, lucro maldito que oprime meu estomago. Sim. Marx ainda está vivo. Ainda existem Impérios, ainda existem Burguesias Financeiras, ainda necessitamos da Revolução. Sim. Lênin não foi embora. Não te posso dar Adeus. A Opressão e Exploração são reais, não são relativas.  Sim. Ainda existem Burocratas e Social-democratas Fascistas. Rosa, nem Trotsky, nem Gramsci foram embora.

De fato, ainda existem Nordeste’s Secos e São Paulo’s entupidas de todo brasileiro que busca emprego, por isto o Lula de 1989 não foi embora. De fato, ainda existe desigualdade, por isto Plínio está com a gente para dizer que o ataque é diferente. Não dá para aliar. A Única opção é socialização. A Democracia Popular e Radical ainda não veio, por isto ainda creio que nem nasci de verdade. Por isto, tenho que me reinventar. Por isto ainda posso lutar.

A versão I dos Indignos e Indignados: https://antesdatempestade.wordpress.com/2012/05/22/de-indignados-e-indignos/

Este texto foi produzido na inspiração do Lançamento do Pré-candidato a vereador Paulo Spina. Mais sobre o camarada em http://blogdopaulospina.blogspot.com.br/

Anúncios