Lugar-comum

Por Felipe Spack
Dói de uma vez, dor, e consome logo
Tua parte de minhas energias.
Tu és tão sem sossego quanto o fogo
Enquanto a madeira não o sacia.

Já incineraste todo o veneno
E carbonizaste inteira a ferida.
Por que ainda queimas o carbono?
Por que não me deixas em pó e cinza?

Enquanto teu calor me estertora
A resposta alvorece devagar
É que no mundo tudo se transforma
E as cinzas também podem transmudar.

Se nada após o fogo é como antes,
Este carvão serão meus diamantes.

 

Anúncios