Conversas sobre o Neodesenvolvimentismo e o Democrático-Popular (parte I)

Por Venâncio Guerrero. 

1° Hipótese: O Projeto Democrático Popular foi o que gerou o Pacto de Classes e o Neodesenvolvimentismo.

 

As greves, os despejos forçados, a resistência indígena e as lutas urbanas contra o aumento da passagem demonstram brechas no Pacto de Classes construído nos últimos anos pelo PT e partidos aliados. Bem como, as constantes quedas de ministros, principalmente o dos esportes, demonstram que o pólo patrimonialista exige uma fatia muito grande do bolo, seja PMDB ou PcdoB: a corrupção ultrapassa os corredores do planalto e vira sensação. Reagrupamento da esquerda anticapitalista? O que devemos fazer em relação aos pequenos deslocamentos de conjuntura política? Quais os cenários efetivos?

É necessário começar com uma posição: O neodesenvolvimentismo dos quase 10 anos de governo do PT deve ser combatido. Para isto é necessário fazer um balanço do que levou a sua configuração. Não aprofundaremos toda a história que resultou no governo atual. Porém, algumas análises e sínteses podem ser desenvolvidas. Para tanto, publicamos uma série de artigos. Neste primeiro, queremos desenvolver a 1° Hipótese a respeito da relação de Neodesenvolvimentismo e Projeto Democrático Popular, qual seja, o governo atual foi gestado no democrático-popular.

 

Um Partido Anti-Burguês e o Protagonismo das Forças Populares.

 

Não se pode afirmar que a estratégia do governo atual é democratica-popular. Porém, herdou deste a sua base social, foi uma conseqüência dialética e histórica de sua efetiva realização. Não se poderia deduzir isto pelo pensamento, sim pela história e contexto da luta de classes no Brasil.

O projeto democrático-popular propunha medidas que combatessem o latifúndio, o imperialismo, dentre outras, um programa que teria como protagonista as forças populares, expresso nos movimentos sociais e no partido antiburguês. Disto se elaborou a fórmula clássica da pinça: um pé na institucionalidade e outro no movimento social. Porém, não é exatamente ela que deve ser o principal objeto de crítica, mas a forma como se viabilizou (1) .

No concreto da política, houve a união do setor sindicalista de Lula (metalúrgicos do ABC) com a tradição stalinista de José Dirceu. Além é claro da base social da igreja católica. Deste tripé, podemos acrescentar uma retranca de formação política de setores trotskistas, que tiveram considerável influência – que é menosprezada muitas vezes.

Dos primeiros dois setores podemos caracterizar um extremo pragmatismo. O sindicalismo de resultados de Lula e a linha que dialogava com o programa do Partidão (PCB de Prestes). Um novo setor, profundamente enraizado no operário fabril do ABC, empolgado pela linha americana de fazer movimento, se juntava com o stalinismo-burocratismo de figuras como José Dirceu (2). Este setor utilizou-se do democrático-popular para fortalecer uma linha institucional: que buscava resolver as questões democráticas-populares pela política da gestão do capitalismo.

Aqui, o setor da igreja, mais massivo que o stalinista era dirigido pelo Lulismo, figura carismática que sempre fez a mediação entre o setor burocrata e a base social ampla, da igreja e o dos sindicalistas. A CEB (comunidades eclesiais de base) organizava uma base que está longe do pragmatismo, mas também se furtou de enfrentar o núcleo duro da direção (3). Também, parte setores trotskistas, com uma teoria política mais encorpada, fizeram caldo com a direção majoritária, principalmente, na dissolução de parte do setor lambertista (O Trabalho), de Palocci e Faivre.

 

Prefeituras e Democrático Popular.

 

Os anos 1980 giravam o pêndulo para a linha de combate com o capital, menos que para conciliação, porém esta já fazia parte da Política do PT à época. No governo Erundina ocorreram os conflitos mais evidentes da briga do pendulo entre gestão e combate no democrático-popular. Podemos citar o exemplo do programa Tarifa Zero, uma pauta de conflito, numa gestão democratica-popular. Havia um delineamento claro para sua implantação, porém a responsabilidade com o capital retirou-a de pauta (4).

Foram os anos 1990, aonde as derrotas se avolumam que a linha de gestão se consolidou. Configura-se a política do mínimo impacto com muitas concessões: façamos o social junto com o capitalisticamente correto (manter Responsabilidade Fiscal junto com políticas compensatórias). As prefeituras petistas, como a de Palocci em Ribeirão Preto e de Cheida em Londrina, privatizaram os serviços públicos.

A gestão Marta Suplicy evidenciou também estas contradições, a política habitacional que buscava dialogar com os movimentos sociais, também conversava com ONG’s organizadas por empresários, a criação de instrumentos urbanos que financeirizam o território, a partir da emissão de títulos pelo poder público – denominados CEPACs, buscando galgar-se na demanda do mercado imobiliário (5) –, ainda continuou a fazer estradas e rodovias em detrimento de investimentos em transporte público.

Mas, foi o tucanato que ajudou na transformação do democrático-popular em neodesenvolvimentismo. Renovou a Razão Dual (6) que estava implícita no democrático-popular e evidente na esquerda antes do golpe. Pois, no governo de FHC se renovaram às precariedades, configurando um cenário mais duro para a classe trabalhadora.

Portanto, aqui a subjetividade de um país dual se fortalece. Nesta visão o Moderno e o Atraso são vistos de forma dicotômica. O Estado é o elemento-chave para superar o atraso, apoiando e desenvolvendo o elemento moderno.

As privatizações, o latifúndio, as políticas de desregulação financeira e do mercado de trabalho, alimentaram o Brasil atrasado. Os flanelinhas, os trabalhadores da reciclagem e os cortadores de cana foram objeto do imaginário social.  O subproletariado estava recomposto (7). Onde estava o Estado Protetor?

 

Todos contra o Neoliberalismo

 

À falsa dicotomia entre Moderno e Atraso se junta a entre Mercado e Estado. Portanto, era necessário resgatar o Estado. Buscar uma recomposição dos empregos com criação de mercado de massas. Aqui, o desenvolvimentismo e a estratégia da Revolução Burguesa se renovam. Nesta leitura, alguns setores empresariais começavam a fazer parte do protagonismo das forças progressistas. Poderia ser feitas alianças e pactos com setores da base social do Governo PSDB-PFL que estivessem em confrontação com a política de juros altos.

Aqui, foi a síntese de uma experiência do fazer-se da classe. O acúmulo de lutas da esquerda baseou-se numa perspectiva de combate ao Brasil Dual. Era preciso combater o latifúndio e o autoritarismo, conseguir a democratização do país. O protagonismo seria do povo e das forças populares, mediado por um partido antiburguês (o PT).

Findo, os anos 1990, o neoliberalismo se fez o maior inimigo e as privatizações e o sucateamento dos serviços públicos geraram uma subjetividade que reivindicava “Estado contra Mercado”. A queda das condições da classe trabalhadora renovara o subproletariado O rendimento médio do salário caindo, reestruturação produtiva e desemprego criaram um cenário, por um lado, de individualismo (eu busco meu próprio caminho de sobrevivência), e por outro, a necessidade da volta do Estado Protetor, de demanda de uma mudança vinda de cima.

Em síntese: candidatura de 2002: o empresário do Partido Liberal, José Alencar como vice de Lula, e Cutrali, maior empresário do setor de cítricos, como uns dos principais apoiadores da campanha. Além, da famigerada Carta ao Povo Brasileiro, que em síntese, priorizava os contratos, menos o combate ao capital.

O PT em sua intervenção no legislativo e nos movimentos sociais ainda fazia coro com as propostas democráticas-populares. Mas este anseio quando chegava às prefeituras ou a sua realização, se transformava numa resolução de gestão, em que a governabilidade era prioritária à realidade efetiva de uma bandeira democrática (que se levada a cabo poderia confrontar com o modelo de capitalismo brasileiro).

Mesmo, o Programa Fome Zero – política compensatória desde o início – que na ilusão de setores da igreja poderia tornar-se emancipação da pobreza, se fez um simples programa burocrático, intermediado por assistentes sociais, menos por militantes que buscassem construir um contra-poder por meio da oferta de alimentos de renda mínima.

O Democrático-Popular não é Neodesenvolvimentismo. Existe uma relação contraditória entre eles. O PT é a máxima representação deste conflito. O Governo é uma coisa e o Partido é outra, vão reivindicar muitos militantes do PT, mas a retórica da base alimenta seu contrário no alto. Qual é a efetiva diferença e a relação entre os dois? É necessário caracterizar melhor o neodesenvolvimentismo para que possamos ter uma aproximação desta pergunta.

 

Referências Teóricas

 

(1) A gestão desta estratégia pode ser lida nos programas de governo, principalmente o de 1989. encontrados no site da Perseu Abramo: http://www.fpabramo.org.br/. Ler também, SADER, Emir (org.). E agora, PT? – Caráter e Identidade. São Paulo: Brasiliense.1986.

 

(2) Este é o argumento de Rudá Ricci (Lulismo: Da Era dos Movimentos Sociais à Ascensão da Nova Classe Média Brasileira. Brasília: Editora Contraponto, 2010.). Contudo, não concordamos com o autor, em sua análise da relação entre a prática burocrática do PT e e a teoria de Lênin.

 

(3) Ibid Rudá Ricci (2010).

 

(4) Este é um argumento que foi desenvolvido em conversas com Plínio de Arruda Sampaio, que participou ativamente da tentativa de implantar o Tarifa Zero.

 

(5) Marina Fix. São Paulo Cidade Global: Fundamentos Financeiros de uma Miragem. São Paulo Boitempo Editorial: 2007.  Ver Mariana Fix:

(6) Ver Francisco de Oliveira Crítica à razão dualista/ O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

(7) Para ler a relação entre Lulismo e Subproletariado ver: André Singer Raízes Sociais e Ideológicas do Lulismo, Novos Estudos, 85, nov 2009.

Anúncios